O perigo pode estar à espreita num prato

de massa

Sabemos há muito

que carne deixada ao ar tem

de ser deitada fora,

fica imprópria para consumo.

Mas e quanto às massas

e ao arroz?

Aparentemente inofensivos,

também os hidratos de carbono desenvolvem bactérias que

nos fazem mal. Muito mal.

A bactéria Bacillus cereus não

é um micróbio particularmente raro.

Tem uma vida feliz onde quer

que viva – no solo, na comida ou

no intestino. Também vive

em insetos e plantas.

É uma bactéria que pode causar

uma terrível intoxicação alimentar, com vómitos e diarreia, se tiver

a hipótese de crescer e proliferar

– que é o que acontece quando

os alimentos são mal armazenados.

UMA FAMÍLIA INTEIRA DOENTE POR CAUSA

DE MASSA

Em 2005, foi publicado

no Journal of Clinical Microbiology o caso de cinco crianças

que ficaram doentes depois

de comerem uma massa

que tinha sido cozinhada

há quatro dias.

De acordo com o estudo, a massa foi preparada numa sexta-feira

e levada para um piquenique

no sábado.


Depois de voltar do piquenique,

foi guardada no frigorífico até segunda-feira à noite, altura

em que as crianças a comeram

ao jantar.

Nessa noite, as crianças começaram a vomitar e foram levadas para o hospital.


O mais novo morreu, outro teve como consequência uma insuficiência hepática, mas sobreviveu, e os outros tiveram intoxicações alimentares menos graves e foram tratados.

Outro caso publicado em 2011 conta a história de um estudante belga de 20 anos que costumava preparar de uma só vez todas

as refeições da semana

– um dia foi esparguete

com molho de tomate.

Dessa vez, depois de ter deixado

a comida na bancada da cozinha por um período de tempo

não especificado, começou

a ter diarreia, dores abdominais

e vómitos. Morreu naquela noite.

CASOS POSSÍVEIS MAS RAROS,

NÃO PRECISA

DE DEITAR JÁ

A MASSA FORA


Antes de renunciar às massas

para o resto da vida, é preciso sublinhar que a maioria das pessoas que adoecem por causa

da B. cereus não acaba com

uma insuficiência hepática.

Mas é importante saber

que a B. cereus pode causar

problemas graves, mesmo

que “o grupo de pessoas

associado a um maior risco

não esteja claramente definido”.

COMO PODE CAUSAR INTOXICAÇÕES ALIMENTARES

TÃO GRAVES

E O QUE PODEMOS FAZER


A B. cereus tem o mau hábito

de produzir toxinas perigosas

na comida, algumas bem difíceis

de eliminar, mesmo com o calor

do microondas.

Os diferentes tipos de toxinas

que esta bactéria produz dão origem a dois síndromes,

explica o INSA:



Síndrome emético (caracterizado por vómitos) – provocado pela ingestão de alimentos contendo toxina, que foi produzida durante

o desenvolvimento do microrganismo no alimento;

Síndrome diarreico – provocado pela ingestão de alimentos contaminados por um elevado número de Bacillus cereus que, subsequentemente, irão produzir enterotoxinas (responsáveis pela intoxicação alimentar) no intestino delgado do hospedeiro.

Em caso de sintomas, temos

de ajudar o nosso organismo

a neutralizar o efeito das toxinas, ingerindo, sobretudo, muitos líquidos.

COLOQUE SEMPRE COMIDA COZINHADA

NO FRIGORÍFICO


O mais importante no que

respeita a alimentos cozinhados

é mantê-los sempre dentro

do frigorífico e é essencial

uma boa higiene na cozinha.

Lave bem as mãos antes de tocar nos alimentos;

Razões suficientes para deixarmos alguns conselhos:

Prepare os alimentos em boas condições de higiene e segurança;

Coma os alimentos logo depois

de cozinhados a uma temperatura acima dos 60ºC;


Guarde as sobras imediatamente no frigorífico;

Aqueça as sobras de comida

a uma temperatura elevada, pois irá destruir a maioria das bactérias

e as toxinas.

LEIA

O ARTIGO COMPLETO