Consumimos demasiado sal?
Saiba como reduzir
Em Portugal, ingerimos em média
o dobro do sal recomendado pela Organização Mundial de Saúde.
Essa ingestão excessiva pode
ser um rastilho para várias doenças
“Pode resultar
em hipertensão,
que leva a doenças cardiovasculares
e AVC’s. Aumenta
o risco de demência,
de doença renal (...)"
Hilda Freitas, médica
de Medicina Interna

O consumo excessivo
de sal também pode
estar relacionado com
cancro no estômago
"Onde se comem
muitos enchidos, há
uma maior prevalência
de cancro no estômago"
Há alternativas ao sal
Como podemos
substituí-lo nas refeições?
Comer é uma necessidade fisiológica, mas também
é fonte de prazer
Por isso, comece por reduzir
o sal gradualmente
e experimente diferentes
especiarias e ervas aromáticas
Os orégãos
ou o manjericão podem
ser uma alternativa ao sal
Tenha atenção ou evite,
sempre que possível,
aos molhos e temperos
já preparados
Experimente temperar
a carne, o peixe e as saladas
com sumo de limão
ou vinagre balsâmico
Não adicione sal nas
batatas fritas, opte por
fazer um molho caseiro
Prove a comida à medida que vai cozinhando para não condimentar demasiado

Reduza o sal gradualmente, as mudanças bruscas podem não resultar
Quando for às compras, verifique
a quantidade de sal que consta
no rótulo do produto
Quais os alimentos
com maior quantidade
de sal e que devemos evitar?
Carnes processadas
Algumas conservas
Molhos embalados
Caldos concentrados
Refeições pré-cozinhadas
Refrigerantes
Alguns laticínios
Bacalhau
Batatas-fritas de pacote
.
.
.
.
.
.
.
.
.
A OMS recomenda limitar o consumo
de sal das crianças a 3 gramas diárias.
Os bebés não devem consumir,
de todo, alimentos com adição de sal
Acha que precisa
de reduzir o sal na sua alimentação?